Artigos

A centralidade da instabilidade afetiva e da identidade no Transtorno da Personalidade Borderline

O Transtorno da Personalidade Borderline (TPB) é uma condição gravemente incapacitante caracterizada por instabilidade que afeta a autoimagem, as relações interpessoais e os afetos, bem como a impulsividade acentuada. Apesar do debate bastante acalorado promovido pela última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, o diagnóstico de Transtornos da Personalidade (TP) sofreu apenas pequenas alterações, com os 10 diagnósticos categóricos e politéticos ainda mantendo o centro do palco. As armadilhas de uma abordagem categórica para TP foram reconhecidas e documentadas há muito tempo, variando de baixa validade discriminante a alta comorbidade e heterogeneidade de sintomas.

 

TPB nos critérios do DSM

Com base nos critérios do DSM, um diagnóstico de TPB é emitido se cinco de um conjunto de nove sintomas estiverem presentes, de modo que os sintomas sejam tratados como intercambiáveis: O diagnóstico é baseado no número de sintomas e não em suas especificidades e não fornece indicação das relações específicas entre sintomas dentro do transtorno. No entanto, a ideia de que todos os critérios não são “criados iguais” está presente há muito tempo.

Os critérios foram apresentados no DSM-IV em ordem decrescente de valor diagnóstico, com base na pesquisa psicométrica. Dos diferentes critérios de TP, considerando a TPB, a instabilidade afetiva e, até certo ponto, os distúrbios de identidade, são particularmente relevantes, e os clínicos classificam os distúrbios de identidade e instabilidade afetiva como os traços causalmente mais centrais do TPB.

Este transtorno consiste em problemas nas relações interpessoais, tanto do ponto de vista clínico quanto de pesquisa, de fato, os problemas interpessoais, com um foco particular nas preocupações de abandono e intolerância à solidão, são marcadores específicos da TPB.

 

A abordagem de rede

No diagnóstico psiquiátrico, a suposição de que um grupo de sintomas compartilha uma relação causal com uma doença subjacente tem sido questionada. Alternativamente, de acordo com a abordagem de rede, os transtornos são concebidos como sistemas de sintomas conectados, e não como entidades.

A abordagem em rede introduz um conceito muito importante para a compreensão da psicopatologia, a saber, a centralidade. Os índices de centralidade quantificam várias maneiras pelas quais uma característica ou sintoma desempenha um papel importante no contexto proporcionado por outros sintomas. A centralidade da força é uma medida de quão fortemente cada sintoma está diretamente conectado com os outros. A força é um índice de centralidade muito estável e generalizado. Um valor alto implica que um sintoma interage diretamente com vários outros sintomas na rede. Incluir informações sobre a centralidade da força em um modelo de regressão permitiu melhorar a previsão do início da depressão.

Considerando dados transversais, o fato de alguns sintomas serem mais centrais do que outros pode ajudar a identificar as principais características do transtorno, fornecendo informações relevantes do ponto de vista diagnóstico. Considerando dados longitudinais, a centralidade e as mudanças nas relações entre os sintomas podem ajudar a elucidar quais sintomas podem atuar como gatilhos para outros sintomas, esclarecendo os mecanismos de desenvolvimento e manutenção.

 

O estudo

Usando a análise de rede, os autores examinaram as relações entre os 9 critérios do TPB. Além disso, para quantificar a importância de cada um dos 9 critérios para a rede TPB, consideramos três índices de centralidade: Força, proximidade e distância.

Foram recrutados dois tipos de amostras para a presente pesquisa: estudantes universitários e amostra clínica. Para a amostra de estudante, 1.317 estudantes universitários (972 mulheres, 342 homens, 3 missing data, média idade = 22,56, faixa: 17-65, DP = 4,05) foram recrutados. Para a amostra clínica, 96 pacientes (57 mulheres, 38 homens, 1 missing data, média idade = 37,75, faixa: 18-66, DP = 10,59) foram recrutados de um centro de tratamento residencial, de um centro de saúde mental público, e em consultórios particulares. Os critérios de inclusão foram idade (entre 18 e 75 anos), presença de pelo menos um transtorno de personalidade, ausência de comprometimento cognitivo, e nenhum episódio maníaco atual ou transtorno psicótico. Por fim, utilizou-se o método Fused Graphical Lasso, que melhora as estimativas da rede, preservando as especificidades das duas amostras.

Primeiro, as duas redes são de fato relativamente semelhantes com 26 arestas comuns. No entanto, algumas bordas foram exclusivas para a amostra clínica, subjacente a uma interação específica entre nódulos relacionada a manifestações comportamentais graves da TPB, como agressão e controle de impulsos (raiva e impulsividade descontroladas) e nódulos representando estados psicológicos (sensação de vazio) e processos (instabilidade afetiva). Parece, portanto, que esses estados psicológicos estão ligados à maioria dos comportamentos disfuncionais apenas quando a patologia da TPB é totalmente exacerbada (ou seja, na amostra clínica). Em segundo lugar, em termos de centralidade das características entre as duas amostras, a instabilidade afetiva é um nódulo central da TPB, especialmente na amostra clínica. Os distúrbios de identidade também desempenham um papel central, embora em menor grau. Finalmente, além dessas duas características, o esforço para evitar o abandono parece ter também um papel central.

 

Achados do uso de análise de redes

O uso da análise de redes permite adicionar novas informações para abordar a questão da heterogeneidade de traços no diagnóstico. Diante disso, a consideração das conexões entre características e sua importância relativa na modelagem de patologias amplia os resultados obtidos a partir de uma abordagem de transtorno latente.

Os resultados da presente pesquisa mostram que tanto em amostras clínicas quanto em estudantes, instabilidade afetiva e distúrbios de identidade desempenham um papel particularmente crucial na estrutura da psicopatologia relacionada ao TPB. Com relação à instabilidade afetiva, as teorias cognitivo-comportamentais conceberam há muito tempo à psicopatologia do TPB como decorrente de dificuldades centrais na regulação emocional.

Os pacientes com TPB mostram aumento do afeto negativo em resposta à rejeição interpessoal e também relatam redução das emoções negativas durante a interação social apenas durante condições de sobre-inclusão extrema. Além disso, isso é coerente com a ideia de que os distúrbios interpessoais são centrais no TPB e na pesquisa de afeto e mentalização.

Espelhando pesquisas sobre depressão, uma tarefa importante para futuras pesquisas examinaria se os traços mais centrais da TPB, como distúrbio de identidade e instabilidade afetiva, são melhores do que outras características na previsão do surgimento do transtorno completo. Para ampliar ainda mais a investigação do papel da instabilidade afetiva, do distúrbio de identidade e do esforço para evitar o abandono, os autores deixam como sugestão que seria importante examinar as relações dinâmicas entre os diferentes traços do TPB que investigam dados longitudinais no decorrer da terapia.

Para concluir, essa contribuição representa a primeira tentativa de aplicar a abordagem de análise de rede às características do Transtorno da Personalidade Borderline considerando duas amostras diferentes e levando em consideração estatisticamente as semelhanças e diferenças entre os dois. Esta contribuição fornece suporte para o papel central da instabilidade afetiva, distúrbios de identidade e esforço para evitar o abandono no diagnóstico de Transtorno da Personalidade Borderline.

 

Artigo: The centrality of affective instability and identity in Borderline Personality Disorder: Evidence from network analysis (A centralidade da instabilidade afetiva e da identidade no Transtorno da Personalidade Borderline: Evidências da análise de redes)

Autor(es)/data: RICHETIN, J. et al, 2017

Periódico: Plos One

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos
Cursos, Webinars
Esquizofrenia – Revisão I
Cursos, Webinars
Fobia Social
Cursos, Webinars
Entendendo a depressão