Artigos

Depressão pós-diagnóstico do câncer de próstata

Impulsionado pelo aumento de incidência desde a década de 60, o Câncer de Próstata já é considerado como um problema de saúde pública a nível mundial, sendo o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e representando cerca de 10% do total de cânceres. No Brasil, é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

Felizmente, o Câncer de Próstata apresenta baixos índices de mortalidade, tendo até 90% de chance de cura se diagnosticado de maneira precoce e grandes chances de sobrevivência se realizados os procedimentos necessários.

Dentre as modalidades de tratamento, a prostatectomia radical (no qual o paciente é submetido a retirada total da próstata) é a mais antiga e possivelmente a mais eficaz, apesar de poder causar efeitos colaterais, tais como: incontinência urinária, disfunção erétil, além de fadiga, angustia geral, incapacidade funcional e depressão.

Sendo assim, se considerarmos que a maioria dos homens que se submete ao processo de remoção do câncer de próstata não vai morrer da doença, a preocupação se volta para o tipo de vida que esses pacientes vão levar décadas depois do diagnóstico e do tratamento.

Como a mente reage ao diagnóstico

Cada vez mais, o câncer está sendo visto e tratado como uma doença crônica que pode ser administrada com eficácia por muitos anos. No entanto, além do corpo é preciso cuidar da mente.

O diagnóstico de um câncer interfere sensivelmente no modo pensar do paciente e pode alterar sua maneira de enxergar a vida, ao ser forçado a encarar a morte como algo muito mais próximo do que antes imaginara, conscientizando-o de sua finitude.

Por esses motivos, o diagnóstico de câncer é frequentemente acompanhado de depressão, muitas vezes partindo de um sentimento de não conseguir negar a doença, sendo forçado a reconhecer que tem um câncer e deprimindo-se no início ou durante o tratamento.

Outro fator que também pode aumentar é o grau de ansiedade nesses pacientes, dependendo da evolução da doença ou conforme a agressividade do tratamento oncológico.

Finalmente, entre outros transtornos psicológicos transitórios, como cansaço, tristeza, desesperança, irritabilidade, dores pelo corpo, angústia e insônia, a preocupação com a sexualidade pode gerar sintomas depressivos e ansiosos. Não apenas por conta da disfunção erétil, mas também pela capacidade de sentir prazer, de se satisfazer sexualmente.

Combatendo a depressão e ansiedade pós-câncer

Entre os pacientes de câncer, incluídos aqui os Câncer de Próstata, é comum que diante desses quadros de transtornos, essas pessoas busquem auxílio com o próprio médico ou psicólogo, que por sua vez poderá avaliar cada caso e encaminhar para um profissional responsável e adequado.

Atualmente, já existem clínicas que oferecem a pacientes de câncer acesso a aconselhamento baseado em comportamento, sob a liderança de psico-oncologistas treinados.

Assim, é bom destacar que nem todo tratamento obrigatoriamente requererá o uso de medicações e, tanto a depressão como a ansiedade, podem ser classificadas em leve, moderada ou grave e receber diferentes indicações de tratamento como psicoterapia, fitoterápicos e psicotrópicos.

Porém, entre algumas maneiras simples de combate a esses sintomas, podemos considerar:

  • Prática regular de atividades físicas regularmente;
  • Manutenção de uma alimentação saudável e rica em frutas e verduras;
  • Evitar/Cessar tabagismo;
  • Procurar ajuda e conversar com um familiar ou um amigo, por exemplo.

A importância da prevenção

Como citado acima, a prevenção precoce do câncer de próstata aumenta as chances de cura em 90%.

Sendo assim, é cada vez mais necessário conscientizar as pessoas a fazerem os exames solicitados pelo médico no check-up de rotina. Além disso, a Sociedade Americana de Urologia recomenda que o exame de sangue para a dosagem do antígeno prostático específico (PSA) seja realizado anualmente por homens a partir dos 45 anos. Além dele, também é importante o exame da próstata.

Se você tem mais de 50 anos, procure um urologista e faça o exame.


fontes:

https://www.holiste.com.br/cancer-de-prostata-pode-gerar-ansiedade-e-depressao/ 

http://www.polbr.med.br/ano10/lbp0710.htm 

http://www1.inca.gov.br/rbc/n_62/v04/pdf/04-artigo-prevalencia-de-ansiedade-e-depressao-em-pacientes-oncologicos-e-identificacao-de-variaveis-predisponentes.pdf 

https://www.timbonet.com.br/5-maneiras-de-combater-a-depressao-no-homem-com-cancer-de-prostata/ 

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1809-98232018000100070&script=sci_arttext&tlng=pt 

https://www.terra.com.br/noticias/dino/diagnostico-de-cancer-de-prostata-pode-gerar-ansiedade-e-depressao,048bc485ec1349a3dd1202c192f424e5wkp9rydv.html 

https://newsnetwork.mayoclinic.org/discussion/o-diagnstico-e-a-cirurgia-de-cncer-de-prstata-podem-gerar-ansiedade-depresso-e-pior-qualidade-de-vida/ 

Câncer de Próstata, Sentimento de Impotência e Fracassos ante os Cartões IV e VI do Rorschach 

https://www.redalyc.org/pdf/284/28441210.pdf   

Anxiety and depression after prostate cancer diagnosis and treatment: 5-year follow-up 

https://www.nature.com/articles/6603057 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos
Cursos, Webinars
Esquizofrenia – Revisão I
Cursos, Webinars
Fobia Social
Cursos, Webinars
Entendendo a depressão